Rotinas na Educação Infantil: brincadeiras orais e desenvolvimento

  • Denise Soares Oliveira UnB
  • Cristina Madeira Coelho

Resumo

Para além dos momentos de conto e reconto de histórias, as práticas pedagógicas com a oralidade na Educação infantil envolvem brincadeiras com trava-línguas, parlendas, rimas, trovinhas, advinhas, atividades em que o objeto do brincar se torna a própria língua. Para construção dessa reflexão, foi utilizada a perspectiva histórico-cultural de Vigotski, com especial foco na inter-relação estabelecida entre linguagem, cognição, afeto e cultura. Em consonância com esse aporte teórico, compreende-se que, o desenvolvimento das habilidades orais em contextos de vivências lúdicas pode ser considerado como guia de desenvolvimento da relação da criança com seus processos de produção de leitura e escrita. Este artigo relata o resultado de um trabalho de monografia de especialização que envolveu professoras de duas turmas de educação infantil de escolas públicas de Brasília que teve como objetivo analisar os planejamentos pedagógicos a fim de verificar o espaço e a forma de utilização e como ocorrem as brincadeiras orais na rotina das turmas de educação infantil. O estudo indicou o predomínio de concepções reducionistas do desenvolvimento infantil, tanto em uma concepção funcionalista, em que a presença de tais atividades está relacionada a datas comemorativas, quanto de concepções deterministas, em que as atividades são escolhidas por serem compreendidas como diretamente relacionadas, como pré-requisitos, ao processo de alfabetização. Este artigo tem a pretensão de colaborar com a práxis pedagógica do professor da educação infantil e do desenvolvimento da linguagem oral da criança no processo de alfabetização.

Publicado
Abr 18, 2018
##submission.howToCite##
OLIVEIRA, Denise Soares; COELHO, Cristina Madeira. Rotinas na Educação Infantil: brincadeiras orais e desenvolvimento. Revista Com Censo: Estudos Educacionais do Distrito Federal, [S.l.], v. 5, n. 2, p. 112-118, abr. 2018. ISSN 2359-2494. Disponível em: <http://www.periodicos.se.df.gov.br/index.php/comcenso/article/view/396>. Acesso em: 23 jun. 2018.